Categories
Cálculos Trabalhistas

Calcular Décimo Terceiro: Hora-extra, férias, descontos

Aqui saiba como calcular o décimo terceiro salário, seja ele integral, com hora-extra, comissionado, proporcional, o que acontece no caso de férias e muito mais!

O décimo terceiro salário, também conhecido como gratificação de Natal, é um direito de todo trabalhador. Foi instituída no Brasil pela Lei 4.090, de 13/07/1962, e garante que o trabalhador receba o correspondente a 1/12 (um doze avos) da remuneração por mês trabalhado. Ou seja, consiste no pagamento de um salário extra ao trabalhador no final de cada ano.

Nesse artigo vamos mostrar como calcular décimo terceiro que ainda gera dúvidas entre os trabalhadores.

Quem tem direito ao 13º salário

Todo trabalhador com carteira assinada tem direito à gratificação, sejam trabalhadores domésticos, rurais, urbanos ou avulsos. A partir de quinze dias de serviço, o trabalhador já passa ter direito a receber o décimo terceiro salário. Também recebem a gratificação os aposentados e pensionistas do INSS.

O pagamento do décimo terceiro salário tem valor muitas vezes variável, mas é geralmente aproximado ao de um salário mensal, podendo ser paga em uma ou mais parcelas, de acordo com a legislação laboral de cada país.

Calcular décimo terceiro 

Para calcular décimo terceiro basta aplicar sobre o salário base (integral) do trabalhador a seguinte fórmula:

valor do salário ÷ 12 x (nº de meses trabalhados).

OBS: O trabalhador deixa de ter direito a 1/12 avos relativos ao mês de trabalho quando tiver mais de 15 faltas não justificadas no mês.

As médias dos demais rendimentos como hora extra e comissões adicionais são também somadas ao valor do salário usado como base para o cálculo do décimo terceiro.

Trabalhadores que só recebem comissão, devem calcular o décimo terceiro baseando-se na média aritmética das comissões recebidas durante o ano.

Como é o pagamento do décimo terceiro

O décimo terceiro salário é pago através de duas parcelas:

  • A primeira parcela conforme a Lei 4.749, de 12/08/1965, deverá ser paga entre o dia 1º de fevereiro até o dia 30 de novembro;
  • A segunda parcela deverá ser paga até o dia 20 de dezembro.

Exemplo de como calcular do décimo terceiro salário:

Adriane é analista e recebe R$ 2.000,00 por mês em seu trabalho. Ela está no serviço desde o primeiro dia do ano. Neste final de ano, logo, ela poderá receber um salário-extra (13º salário), de maneira integral.

Seguindo os passos acima, devemos primeiramente dividir o salário integral (R$2.000) pelo número de meses no ano (12 meses). Então:

  • 2000/12=166,666…

Depois basta multiplicar esse valor pelo número de meses trabalhados. Esse resultado é o valor do benefício do décimo terceiro:

  • 166,666 x 12 = 2000,00 – (valores dedutíveis como INSS  e IR)

Conforme Tabela INSS 2020, o valor incidente de INSS no decimo terceiro de Adriane será de 9% de Alíquota para recolhimento ao INSS.

Adriane receberá um segundo salário de maneira integral no valor de R$ 2.000,00 reais (decimo terceiro bruto).

  • Dedução INSS = R$ 2.000 x 9% = R$ 180,00
  • Dedução INSS = R$ 2.000 – R$ 180,00 = R$ 1.820,00 (está faixa não incide Imposto de renda) Veja a Tabela IR 2020.

Então Adriane receberá R$ 1.820,00

Vale salientar que se o pagamento for feito em 2 parcelas a:

  • 1ª parcela (até 30 de novembro) é equivalente a metade do valor = R$ 1.000,00
  • 2ª parcela (até 20 de dezembro) é equivalente ao saldo da remuneração menos o valor já pago na primeira parcela menos aos descontos incidentes sobre o valor total do abono salarial, ou seja, INSS  e IR para quem recebe acima do teto estabelecido em lei = R$ 820,00

calcular décimo terceiro

Veja também:

Calcular décimo terceiro com hora extra

Para se calcular décimo terceiro com hora extra basta somar o valor das horas extras trabalhadas ao salário base usado no cálculo do 13º salário.

Ainda seguindo o exemplo anterior em que Adriane receberá o décimo terceiro no valor de R$ 1.820,00. Supondo que Adriane receberá R$ 100,00 de horas extras, então o décimo terceiro com hora extra é o valor das horas extras somadas ao 13º (1820 + 100 = R$ 1.920,00 reais).

Calcular décimo terceiro comissionado

Todas comissões adicionais que o trabalhador terá direito serão somadas ao valor do salário usado como base para  cálculo do décimo terceiro salário.

Caso Adriane receba por exemplo R$50,00 de comissão deverá ser somada o valor das comissões mais o valor do 13º, ou seja, (1820+50 = R$ 1.870,00).

Calcular décimo terceiro e férias 

Para ter direito a esse adiantamento o empregado deverá requerer no mês de janeiro do correspondente ano ao empregador, por escrito. Após este período, é facultado ao empregador a liberação do referido pagamento ao empregado.

O décimo terceiro salário, portanto é direito de todo trabalhador e nesse post mostramos o cálculo do 13º salário.

Sabe como é feito o cálculo do 13º proporcional? Fizemos um artigo explicando, clique e saiba tudo sobre o calculo proporcional do décimo terceiro.

Conclusão

Este artigo foi útil, tirou suas dúvidas das sobre o calculo do 13º salário?

Caso tenha sanado, compartilhe nas redes sociais e se ainda houver dúvidas, deixe um comentário.

Categories
Cálculos Trabalhistas

Saiba‌ ‌como‌ ‌calcular‌ ‌o‌ ‌salário‌ ‌nos‌ ‌meses‌ ‌de‌ ‌28,29‌ ‌ou‌ ‌31‌ ‌dias‌ ‌

Calcular o salário é uma ótima forma de manter o controle mensal quando se entra ou sai da empresa. Isso ajuda a ter um pagamento justo e manter uma boa relação entre empregador e empregado.

Porém essa variação de mês só ocorre em algumas circunstâncias.

Para o cálculo em meses que não tem 30 dias devemos adotar o divisor como o número exato. Ou seja, fazer a divisão salarial por 28, 29 ou 31, dependendo do mês.

Porque calcular o salário

Calcular o salário é importante exclusivamente para quem é mensalista. Porque mesmo que o salário sempre tenha como base trinta dias, existem alguns momentos como:

  • Admissão;
  • Demissão;
  • Início de afastamento ou retorno.

Eles precisam do cálculo proporcional pois neles as verbas salariais pagas se alteram. Sendo assim no mês de 31 dias elas são maiores, enquanto nos de 28 são menores.

Assim se torna justo tanto ao empregador quanto ao empregado o acerto final. Mas é válido lembrar que calcular salário é importante apenas nas ocasiões citadas. Logo o mensalista também recebe um salário fixo por mês.

Veja outros artigos que podem te ajudar:

Como calcular salário do mês de 28 dias

Para averiguar a remuneração proporcional é preciso pegar o valor total e dividi-lo pelo número de dias. Depois disso deve multiplicá-lo pelo efetivo trabalhado. Essa equação deve ser realizada tanto para a admissão quanto para a demissão.

  • (Salário mensal / 28) x número de dias trabalhados.

Ex: Um trabalhador que ganha mil reais e trabalho quinze dias do mês:

  • (1000 / 28) x 15 = R$ 535,71.

Caso o empregado trabalhe 27 dias ele tem o direito de receber o valor completo. Assim, na hora de calcular salário deve-se considerar 28 dias no multiplicador.

calcular o sálario

Como calcular salário do mês de 29 dias

Mesmo ocorrendo apenas a cada dois anos, os anos bissextos também influenciam no valor recebido. Por isso se o empregado é admitido ou demitido, no mês é preciso verificar a remuneração proporcional.

Logo, para calcular salário divida-o por 29 e depois multiplique por 24. Assim, um funcionário que ganha 1000 reais e trabalhou 15 dias receberia:

  • (Salário mensal / 29) x número de dias trabalhados.
  • (1000 / 29 ) x 15 = R$ 517,24

Novamente é importante ressaltar que se o empregado tiver trabalhado 28 dias, ele deve receber o valor integral. Ou seja, o cálculo deve ser realizado considerando 29 como os dias trabalhados.

Como calcular salário do mês de 31 dias

Para esse mês haverá uma diferença menos favorável ao trabalhador do que nos outros dois. Isso ocorre devido ao mês ser mais longo e por isso o divisor ser maior. Novamente a equação será a mesma para situação de contratação ou rescisão.

Mas a regra de calcular salário se mantém inalterada. Sendo assim, um trabalhador que recebe R$1000 e realizou sua função por 15 dias receberá:

  • (Salário mensal / 31) x número de dias trabalhados.
  • (1000 / 31) x 15 = R$ 483,87

Caso o empregado falte no trabalho sem apresentar uma justificativa o empregador deverá descontar 1/31. Além disso, também será retirado o reflexo no DSR.

Se o empregado realizar seu 30 dias do mês ele não precisará calcular o salário. Pois irá receber o valor integral combinado de sua remuneração.

Vale ressaltar que nas demissões o empregador tem a opção de efetuar o pagamento integral. Caso o seu empregado tenha cumprido os 30 dias de trabalho, claro. Assim ninguém sairá prejudicado na relação trabalhista.

Procedimentos em caso de afastamento

Caso o funcionário precise ser afastado da empresa, calcular salário segue os mesmos critérios anteriores. Seja no mês com 28, 29 ou 31 dias, ele deverá ser realizado de modo proporcional.

  • (Salário mensal / número de dias do mês) x número de dias trabalhados.

Todas essas informações têm como base legal o Art. 64 da CLT e o Art. 7º inciso XIII da CF.

“Art. 64 – O salário-hora normal, no caso do empregado mensalista, será obtido dividindo-se o salário mensal correspondente à duração do trabalho, a que se refere o artigo 58, por 30 vezes o número de horas dessa duração.

Parágrafo único. Sendo o número de dias inferior a 30, adotar-se-á para o cálculo, em lugar desse número, o de dias de trabalho por mês.”

Conclusão

Como podemos avaliar nesse artigo, os cálculos de remuneração são bem simples de serem feitos. Eles são necessários para que os pagamentos sejam sempre justo, sendo defendidos por lei.

Para qualquer que seja o mês (28, 29 ou 31), é preciso fazer utilizar a seguinte fórmula:

  • (Salário mensal / número de dias do mês) x número de d.

Essa equação deve ser realizada em admissão, demissão e em caso de afastamento. Já nos demais meses corriqueiros o valor salarial não deve ser alterado. Mesmo que eles variem os dias, pois o combinado é que o valor seja mensal.

Categories
Salário Líquido

Como calcular salário e dias trabalhados

Como calcular salario e dias trabalhados é um assunto de interesse de todos que estão iniciando a sua vida profissional, e, principalmente daqueles que já estão trabalhando. O intuito principal de calcular o salário é saber quanto de fato está valendo o seu dia trabalhado.

Há também formulas para calcular quanto está valendo a hora trabalhada. Ensinaremos aqui o passo a passo de como realizar esse cálculo e de brinde uma calculadora que facilitará a sua vida, trazendo resultados precisos sem muito esforço.

Antes de mais nada, se atualize com as principais informações sobre o salário mínimo brasileiro

Qual o valor do salário mínimo em 2020?

O salário mínimo vem passando por reajustes anuais, sabemos que esse reajuste não é muita coisa e muitas das vezes não ajuda muito nas nossas vidas, uma vez que: anualmente temos reajustes no salário, porém a passagem do ônibus, metrô e demais transportes acabam aumentando, sem falar dos itens que são considerados essenciais para a nossa sobrevivência.

De qualquer modo, em 2020 os trabalhadores passaram a desfrutar de um salário que passou de R$ 1037,00 (2019) para R$ 1045,00.

Sou trabalhador formalizado, quanto devo ganhar?

Essa é uma pergunta relativa, pois cada cargo tem um salário a ser pago, porém, atente-se que se você é um trabalhador formal (em regime CLT) e está exercendo a função em 44h semanais, você não deverá ganhar abaixo de um salário mínimo vigente, essa clausula está prevista na CLT.

Como calcular salário e dias trabalhados

Quer ler mais um sobre o assunto? Siga esse artigo que está disponível na Wikipédia.

Sou trabalhador de carteira assinada, quais benefícios eu tenho?

Importante se atentar aos seus benefícios, trabalhador. Está previsto na CLT que todos os trabalhadores registrados em carteira tem direito aos seguintes benefícios:

Como calcular salário e dias trabalhados

Dentro do modelo de salário proporcional é preciso ter a quantia de dias trabalhados para definir o valor a ser pago. De modo geral, pela CLT, o comum é sempre considerar 30 dias para seu cálculo.

É importante considerar que nem todos os meses possuem 30 dias. Logo, é necessário levar em questão o número de dias do mês em questão e não algo padrão que não condiz com a realidade.

A forma simplificada de verificar o salário de uma pessoa é dividindo o valor total pela quantia de dias do mês. Por fim, multiplique o resultado pelo número de dias trabalhados e terá o resultado.

Vale ressaltar que é importante considerar apenas os dias úteis na empresa. Portanto, exclua fins de semana e feriados caso não tenha tido expediente.

Como calcular salário e dias trabalhados: Cálculo de mês com 28 dias

Suponha que Gabriela foi contratada 8 de fevereiro de um ano comum. Ou seja, o mês terá apenas 28 dias e o salário base é de R$ 1.500,00. Desta forma, foram trabalhados 20 dias.

1.500/28 = 53,57

53,57×20 = R$ 1.071,43 devem ser pagos a Gabriela.

Como calcular salário e dias trabalhados: Cálculo de mês com 29 dias

Em anos bissextos o mês de fevereiro conta com 29 dias. Então, suponha que Camila tenha sido contratada no dia 15. Ela recebe R$ 2.000,00 mensalmente da empresa.

2.000,00/29 = 68,97

68,97 x 14 = R$ 965,58 devem ser pagos a Camila.

Como calcular salário e dias trabalhados: Cálculo de mês com 31 dias

O último exemplo vamos considerar um mês com 31 dias. Assim, Lucas foi contratado no dia 10 e recebe mensalmente R$ 1.200,00.

1.200,00/31 = 38,70

38,70 x 21 = R$ 812,90 devem ser pagos a Lucas.

Variáveis no cálculo de salário proporcional

Devemos considerar que algumas empresas trabalham também com variáveis durante o pagamento. Por exemplo, horas extras e descontos com faltas. Assim é preciso considerá-las ao calcular.

Cálculo de salário com horas extras

Por lei, salvo exceções, a jornada de trabalho é de oitos horas. Além disso é permitido que o trabalhador realize até duas horas extras por dia. Então, suponha que a jornada de Miguel seja assim e que durante cinco dias ele fez uma hora extra.

O cálculo dessa hora segue a fórmula de valor da hora normal + 50%. Portanto é preciso definir inicialmente o valor da hora. Considere um salário de R$ 1.820 para 220 horas trabalhadas.

1.820/220 = R$ 8,28 (valor da hora)

8,28 + 50% = R$ 12,42 (valor da hora extra)

12,42 x 5 = R$ 62,10 é o valor que deve ser acrescido ao salário.

Cálculo de salário com desconto por faltas

Há casos em que o colaborador não poderá comparecer ao trabalho. Sendo assim, se não for justificado, é possível que seja descontado o dia do seu recebimento mensal. Novamente considere R$ 1.820 para 30 dias e três faltas.

Para calcular é necessário verificar o valor por dia trabalhado. Por fim, subtraia o valor dos dias faltantes do total do mês.

1.820/30 = 60,67 (valor por dia)

R$ 60,67 x 3 = R$ 182,00 (valor a ser descontado no mês).

Compartilhe

Espero que tenha gostado do artigo sobre como calcular salário e dias trabalhados.

Deixe seu comentário, sua dúvida; Compartilhe este artigo em suas redes sociais!

Categories
INSS

Calcular Valor do Benefício INSS 2020

Calcular Valor do Benefício – Diariamente é possível observar uma grande quantidade de pessoas formando filas quilométricas na porta da Previdência Social. Essa fila é destinada à busca de informações referente aos benefícios concedidos pelo INSS.

Nem todo mundo sabe, mas a maioria dessas informações poderão ser consultadas diretamente pela internet, agilizando todos os processos de requisição sobre os benefícios do INSS.

Veja também:

A Previdência Social é o órgão responsável por gerir: Pensões, Auxílios, Licenças, Aposentadorias e mais. Para usufruir de tudo isso, é necessário ter “colaborado” por determinado tempo (geralmente cada benefício tem os seus próprios requisitos).

Continue a leitura para saber mais como Calcular valor do benefício e outras informações relevantes sobre a Previdência Social.

Quem tem direito aos benefícios do INSS?

Todos os pagamentos que são realizados para o cidadão, vindo da Previdência Social tem ligação direta com a econômica nacional, por conta disso, é necessário estar dentro de algumas exigências do INSS.

Calcular Valor do Benefício

Exemplos:

  • Para se aposentar é necessário cumprir o tempo mínimo de contribuição/idade (existem outros tipos de aposentadorias).
  • Para solicitar o auxílio doença é necessário ter o tempo mínimo de contribuições com INSS.

Confira abaixo a lista de benefícios que o INSS pode te proporcionar:

  1. Aposentadoria por tempo de contribuição;
  2. Aposentadoria por idade e invalidez;
  3. Pensão por morte;
  4. Auxílio-doença;
  5. Auxílio-acidente;
  6. Auxílio-reclusão;
  7. Salário maternidade;
  8. Salário família;

Além desses benefícios, o cidadão poderá calcular valor do benefício INSS para encontrar uma média dos valores que o INSS poderá estar pagando.

Teto benefícios INSS

Nem todas as pessoas recebem os mesmo valores nos benefícios, pois há cálculos que envolvem o salário do contribuinte ao decorrer do tempo de contribuição com a Previdência Social.

No ano de 2020 foi publicado um reajuste de 23,07% dos benefícios pagos pelo INSS. Após esse reajuste, o teto dos benefícios passou de R$ 5.839,45 para R$ 6.101,06.

O pagamento dos benefícios não poderão passar o teto estipulado e também não poderá ser inferior ao salário vigente que é de R$ 1045,00.

Tabela de alíquota do INSS

Vigência de 01.03.2020 a 31.12.2020

Tabela para Empregado, Empregado Doméstico e Trabalhador Avulso 2020

Salário Alíquota
de até
0,00 1.045,00 7,5%
1.045,01 2.089,60 9,0%
2.089,61 3.134,40 12,0%
31,34,41 6.101,06 14,0%

Tabela para segurados (contribuinte individual e facultativo)

Vigência de 01.02.2020 a 31.12.2020

Salário Alíquota Contribuição
de até
0,00 1.045,00 5% 52,25 *
0,00 1.045,00 11% 114,95 **
1.045,00 6.101,06 20% de R$ 209 a 1220,21

(*) Alíquota exclusiva do Facultativo Baixa Renda. Não dá direito a Aposentadoria por Tempo de Contribuição e Certidão de Tempo de Contribuição.

(**) Alíquota exclusiva do Plano Simplificado de Previdência. Não dá direito a Aposentadoria por Tempo de Contribuição e Certidão de Tempo de Contribuição.

Calcular valor do benefício INSS é importante para que os contribuintes tenham noção de quanto receberão mensalmente.

Calcular Valor do Benefício

A simulação disponibilizada pelo INSS é realizada para que o cidadão tenha uma média de tempo para se aposentar e também para saber qual será o valor do seu benefício.

É necessário possuir todas as carteiras de trabalho, carnês de pagamentos e todos os comprovantes que comprovem contribuições com INSS.

Siga o passo a passo para calcular valor do benefício:

  1. Acesse o site da Previdência Social através deste link;
  2. Selecionar uma das opções: Calcular tempo de contribuição ou Calcular valor do benefício;

Para calcular o valor do benefício, é necessário calcular antes o tempo de contribuição. É necessário informar todas as suas contribuições desde julho de 1994 até a presente data.

Na falta de informações, procure uma das agências do INSS.

Salário mínimo, aposentadoria, auxílio-doença, pensão, BPC

Em 2020 o salário mínimo e tudo que envolve pagamento de beneficio do INSS tem o valor atrelado ao mínimo que é de R$ 1045,00 (um mil e quarenta e cinco reais).

Os benefícios são a aposentadoria, o auxílio-doença, a pensão por morte, o beneficio de prestação continuada para idosos e pessoas com deficiência.

O valor mínimo dos benefícios pagos pelo INSS – aposentadorias, auxílio-doença, pensão por morte –, das aposentadorias dos aeronautas e das pensões especiais pagas às vítimas da síndrome da talidomida será de R$ 1045,00.

Salário família

O valor da cota do salário-família por filho ou equiparado de qualquer condição, até 14 (quatorze) anos de idade, ou inválido de qualquer idade, a partir de 1º de janeiro de 2020, é de R$ 48,62 (quarenta e oito reais e sessenta e dois centavos) para o segurado com remuneração mensal não superior a R$ 1.425,56 (um mil, quatrocentos e vinte e cinco reais e cinquenta e seis centavos). Conforme Portaria 3.659

Auxílio Reclusão

O auxílio-reclusão é pago para os dependentes do segurado de baixa renda recolhido à prisão em regime fechado que não receber remuneração da empresa e nem estiver em gozo de auxílio-doença, pensão por morte, salário-maternidade, aposentadoria ou abono de permanência em serviço que, no mês de recolhimento à prisão tenha renda igual ou inferior a R$ 1.425,56 (um mil, quatrocentos e vinte e cinco reais e cinquenta e seis centavos).

O valor é de R$ 1.045,00 (um mil e quarenta e cinco reais)

Categories
Calculo Tributário

Rais 2021: Data de entrega e como informar

A Relação Anual de Informações Sociais, ou RAIS 2021, é um parecer das informações socioeconômicas pedida as pessoas jurídicas. Esta regra foi instituída em 1975 pelo Ministério do Trabalho e Emprego.

Com isso, deve-se ficar alerta aos prazos da entrega dos relatórios e saber como e onde enviar as informações. Assim, logo abaixo iremos inteirar você empregador de todo trâmite necessário para o RAIS (data base 2020).

O que é o RAIS 2021 e quais seus objetivos

O RAIS 2021 será um parecer das pessoas jurídicas a fim de informar sobre os empregados da empresa. Inclusive as informações prestadas deverão conter, dados dos salários, afastamentos, demissões e contratações.

A partir desta base de dados, o Governo Federal poderá elaborar informações estatísticas sobre a situação do trabalhador brasileiro. Além de poder criar estratégias futuras para os órgãos do Governo.

Dessa maneira, o RAIS tem por objetivo atender as seguintes necessidades da administração direta, sendo elas:

  • Atender as exigências do controle da atividade trabalhista do Brasil;
  • Elaboração de dados estatísticos sobre o trabalhador brasileiro;
  • Informar sobre o mercado de trabalho ao Governo.

Em contrapartida à estas informações, o Estado através de suas entidades governamentais irá favorecer o trabalhador com as seguintes medidas:

  • Dispor sobre a nacionalização do trabalho protegendo o trabalhador brasileiro;
  • Controlar registros do FGTS;
  • Gerar dados do Sistema de Arrecadação e Concessão de Benefícios Previdenciários;
  • Obter estudos técnicos de natureza atuarial e estatístico;
  • Identificar cada trabalhador para fornecer o registro individual do abono salarial do PIS/PASEP.

rais 2021

Passo a passo de como declarar o RAIS 2021

Para que o empregador possa efetuar a declaração do RAIS 2021, ele deverá seguir os devidos trâmites explicados a seguir. Diante disso ele terá que:

  • Acessar o site oficial do RAIS do Governo Federal;
  • Clicar no link Programa Analisador de Certificado (3.2 MB);
  • Caso tenha dúvida de como instalar o programa, basta clicar no link Instruções de Instalação e Utilização do Programa;
  • Estando com o certificado digital registrado no computador, clique em executar;
  • Ao final do processo, será gerado um número de log. Copie e envia este log para o suporte do RAIS para verificação.

Lembrando que as pessoas jurídicas que possuírem mais de 11 vínculos empregatícios, deverão fazer uso do certificado digital.

Além disso, o empregador poderá validar seu acesso como declarante para o Serviço Federal de Processamento de Dados –SERPRO. Ao concluir a etapa de instalação e certificação do programa, será preciso o preenchimento do formulário.

De certo, o guia do formulário terá um padrão determinado e nele será possível informar dados específicos da empresa. Tais como:

  • Número de funcionários, salários, demissões, contratações, etc;
  • Endereço de atuação da empresa, entre outros dados particulares.

Bem como, companhias que possuam filiais devem gerar uma declaração individual para cada empresa.

Data de entrega para o RAIS 2021

Como as demais declarações feitas para o Governo, o RAIS 2021, terá um prazo determinado para ser relatado. Para isso, qualquer alteração será implementada pela Portaria n° 1.149, de 23 de dezembro de 2019.

A saber, cada grupo terá um período durante o ano de 2021 para fazer a entrega. Portanto é de extrema importância saber em qual grupo a sua empresa faz parte. Já que eles são separados em seis.

Os meses para a entrega do RAIS 2021 irão ocorrer entre os meses de janeiro a novembro de 2021. Enfim, os prazos das operações serão efetuados de forma contínua, podendo variar conforme os fluxos de funcionários das empresas.

Sobre a RAIS negativa

Outro fator importante a ser mencionado, é sobre a RAIS negativo. Neste caso ele irá englobar todos as empresas que não possuem vínculos trabalhistas com empregados.

Contudo, será necessário fazer a emissão do RAIS 2021 negativo provando não existir trabalhadores formais na empresa. Dentre os que não devem ser declarados, mas negativados pelo RAIS, estão:

  • Diretores sem vínculo empregatício, e sem recolhimento do FGTS;
  • Autônomos;
  • Empregados eventuais;
  • Ocupantes de cargos eletivos;
  • Estagiários que estejam enquadrados na Portaria n° 1.002, de 29 de setembro de 1967. E na Lei n° 11.788, de 25 de setembro de 2008;
  • Empregado doméstico regido pela Lei n° 11.324, de 19 de julho de 2006;
  • Cooperativados;
  • Diretores e Assessores de órgãos, fundações e institutos.
Categories
Direito Trabalhista

Recebi auxilio emergencial, posso receber o PIS?

Recebi auxilio emergencial, posso receber o PIS? Garanto que esta pergunta pode estar pairando sobre a cabeça do trabalhador, já que há muitas regras e às vezes o beneficiário pode se confundir, sem saber se terá direito ou não ao PIS, principalmente o abono salarial do PIS 2021.

Muitas pessoas que receberam o auxílio emergencial têm se perguntado se terão direito a sacar o abono do PIS. A verdade é que os dois benefícios tem origens e funções bem diferentes, não interferindo um no outro. Mas as dúvidas sempre surgem e nosso papel é tentar saná-las!

Para explicar melhor essa situação, vamos analisar cada uma dessas ajudas disponíveis. Assim, será possível entender quem pode utiliza-las e quais as implicações que cada uma sugere.

Auxílio Emergencial

Trata-se de um benefício financeiro criado como uma medida emergente para auxiliar certa classe de cidadãos durante a pandemia. Isso foi necessário para que houvesse uma amenização nos efeitos da crise econômica que surgiu com a paralisação comercial.

Foi inspirada em medidas tomadas por diversos governos ao redor do mundo. Mas precisou ser debatida diversas vezes, até porque inicialmente o Ministro tinha uma proposta bem abaixo do valor atual.

Sua primeira proposta aceita foi de 3 parcelas de R$ 600,00 ou R$ 1200,00 (para matriarcas). Porém como a pandemia mostrou-se ser mais longa do que o previsto, ele foi expandido para 5 prestações.

Por último foi estendido novamente, durando até o final do ano. Porém depois do recebimento das cinco parcelas combinadas, o valor a ser pago é metade do original. Assim quem recebia R$600,00 ou R$ 1.200,00 passará a ter direito a R$300,00.

Para ganhar esse direito, primeiramente é preciso ter mais de 18 anos e seguir algumas das especificações abaixo:

  • Ser trabalhador informal;
  • Microempreendedor individual (MEI);
  • Autônomo;
  • Contribuinte individual da Previdência;
  • Desempregado.

Além desses requisitos a pessoa que recebeu o direito ainda deve estar dentro de um limite de renda estabelecido.

  • A renda familiar mensal deve ser de até três salários mínimos (R$ 3.135) ou com renda mensal per capita (individual) de meio salário mínimo (R$522,50);
  • Com rendimentos tributáveis de até R$ 28.8559,70 em 2018 – declarado no Imposto de Renda de 2019.

Seguindo todas essas exigências, os candidatos ainda passaram por uma analise para confirmar as informações. Só então passaram a ter o direito de ganhar o auxílio-emergencial.

O calendário de pagamento tem variado conforme o mês de nascimento dos beneficiários. É possível acompanhar seu saldo, fazer transferências ou mesmo pagamentos utilizando o aplicativo Caixa Tem.

Recebi auxilio emergencial, posso receber o PIS

Abono do PIS/PASEP

É um outro tipo de benefício, conhecido como abono salarial, fornecido a quem possui um período de trabalho formal no ano anterior ao do calendário. Para recebe-lo é preciso estar dentro de algumas regras estabelecidas em lei, os requisitos são:

  • Ter tido carteira assinada por no mínimo 30 dias no ano anterior ao do calendário de pagamento;
  • Ter recebido em média, no máximo até dois salários mínimos por mês;
  • Possuir inscrição no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos;
  • A empresa onde trabalhou tenha informado corretamente seus dados na RAIS ou eSocial.

O abono salarial pode ser sacado em agências da Caixa, lotéricas e caixas eletrônicos. Para receber o PIS na lotérica ou caixa eletrônico é necessário possuir o Cartão Cidadão e a senha. Quem não tem, precisa ir até uma agência portando documentos com foto.

Sua liberação depende do calendário anual disponibilizado para cada banco, por isso é preciso se atentar as datas.

Recebi auxilio emergencial, posso receber o PIS?

Como uma novidade, o auxílio emergencial acabou gerando muita especulação sobre quem poderia receber e quais as implicações disso. A verdade é que um benefício não infere em nada no recebimento do outro.

O que houve de alteração foi que as parcelas de R$ 300, não serão pagas para:

  • Quem conseguiu um emprego formal após receber o auxílio;
  • Recebeu programa de transferência do governo – exceto o Bolsa Família;
  • Fez o saque do seguro-desemprego na época do pagamento;
  • Tinha posse de propriedade de bens ou direitos com valor maior que R$ 300 mil até dezembro de 2019;
  • Utilizou benefício previdenciário.

Sendo assim, não existe implicação que impeça que quem recebeu o auxílio emergencial saque o PIS. É preciso apenas se atentar se você sofreu alguma alteração cadastral que possa fazer com que perca o primeiro benefício.

Portanto se sua dúvida é: “Recebi auxilio emergencial, posso receber o PIS?” a resposta é sim, desde que esteja dentro dos requisitos já mencionados acima.

Qualquer dúvida sobre isso, você pode verificar no aplicativo da Caixa Tem, ou em qualquer agência da Caixa Econômica Federal.

Categories
Blog Finanças

IGPM Índice: Tabela anual, mensal e acumulado

O IGPM índice Geral de Preços do Mercado, tem o objetivo de funcionar como um indicador do movimento dos preços que são calculados mensalmente pela Fundação Getúlio Vargas, a FGV.

O índice é divulgado ao final de cada mês e serve como uma referência consolidada no mercado para o reajuste dos preços da energia elétrica e também dos contratos oficiais de aluguéis de imóveis, quando estes tendem a sofrer aumentos.

Entenda aqui tudo sobre o índice IGPM.

Histórico do IGPM índice

A primeira vez em que o índice IGPM foi divulgado foi em novembro de 1947, quando o índice foi concebido para ser uma medida inclusiva para o movimento dos preços no mercado.

Naquele ano, entendeu-se que um índice inclusivo deveria ser capaz de englobar não apenas uma série de atividades econômicas, mas, também, as diversas etapas diferentes que compõem a totalidade do processo produtivo.

Como o índice foi elaborado e constituído dessa forma, o IGPM passou a ser utilizado para ilustrar a evolução de cada tipo de negócio, indicando, a cada mês, como estava se comportando o nível de atividade econômica no país.

IGPM índice

Além desses objetivos, o índice foi criado com a intenção de ser um indicador de referência para delimitar as correções de alguns títulos que são emitidos pelo Tesouro Nacional e para os depósitos bancários com renda pós-fixadas após o período de um ano.

Mais tarde, o índice abarcou outras funcionalidades, servindo, por exemplo, para a correção de contratos de aluguel, além de funcionar como um eficiente indexador de tarifas diversas no que se refere ao setor de energia elétrica.

IGPM índice e o Mercado Imobiliário

Com as novas funções adquiridas posteriormente pelo índice econômico, o IGPM passou a ser o principal indexador dos contratos de aluguéis, seja de imóvel residencial ou de imóvel comercial.

Todos os anos vários proprietários de imóveis ou profissionais do mercado imobiliário em geral precisam estar atentos às variações ocorridas no IGPM.

Pois, a partir deste índice, os proprietários de imóveis e pessoas que trabalham neste mercado conseguem calcular qual é o valor do índice acumulado e, assim, podem reajustar os preços dos seus aluguéis.

Confira aqui:

Funções do IGPM

O índice IGP-M possui, em resumo, três funções básicas.

1ª função

A primeira delas é a de ser um indicador macroeconômico que representa a evolução do nível de preços.

2ª função

A segunda, de ser deflator de valores nominais de abrangência que sejam compatíveis com a sua composição, como, por exemplo, a receita tributária e o consumo intermediário no horizonte das contas nacionais.

3ª função

A terceira e última função é a de ser utilizado para a devida correção ao aumento de preços e valores contratuais, especialmente para o mercado de imóveis.

Assim, o IGP-M corrige, com o apoio dos demais parâmetros do âmbito econômico, contratos ativos de aluguel de imóveis e também contratos para o fornecimento de energia elétrica por parte de empresas desse mercado.

O IGPM, da FGV, analisa as mesmas variações de preços que são consideradas no IGPDI, também da FGV, o que corresponde ao índice de Preços por Atacado, o IPA, que tem cerca de 60% de peso do índice.

O Índice de Preços ao Consumidor, o IPC, tem peso de 30% no IGP-M, e o Índice Nacional de Custo de Construção, o INCC, representa 10%.

Para que é usado o IGPM?

Ele é usado como fonte de base para calculo do de contratos e tarifas, como por exemplo, aluguéis comerciais e residenciais,  energia elétrica. Isso é possível porque o IGPM reflete a situação econômica de maneira mais ampla.

Assim, fica muito mais fácil entender porque esse é um indicador tão importante. Ele poderá impactar suas finanças, seja você um investidor ou não. Por exemplo, o IGPM é usado em reajustes como:

  • Educação;
  • Imóveis;
  • Energia;
  • Seguros;
  • Saúde.

Isso sem contar que existem algumas aplicações associadas aos IGPM. Portanto, conhecer e acompanhar esse índice é fundamental.

Tabela Anual do IGPM

Os valores a seguir representam os valores anuais do IGPM no período de 1996 a 2018.

IGP-M 1

IGP-M Histórico (Últimos 5 Anos)

O IGP-M Anual pode ajudar a entender melhor como a economia brasileira tem se comportado. A seguir, você encontra o valor acumulado em dezembro dos últimos 5 anos:

IGP-M  – Índice Geral de Preços do Mercado (2015-2019)
Mês/Ano Índice acumulado no ano (%)
Dez/2015 10,54
Dez/2016 7,19
Dez/2017 -0,53
Dez/2018 7,55
Dez/2019 7,31

Tabela IGPM Mensal

Tabela de janeiro de 2004 a agosto de 2018

Mês/ano Índice do mês
(em %)
Índice acumulado
no ano (em %)
Índice acumulado nos últimos 12 meses
(em %)
Número índice
acumulado a partir
de Jan/93
Set/2018 1,52 8,2979 10,0496 1.714,6059
Ago/2018 0,70 6,6764 8,9114 1.688,9342
Jul/2018 0,51 5,9349 8,2624 1.677,1938
Jun/2018 1,87 5,3974 6,9376 1.668,6835
Mai/2018 1,38 3,4626 4,2712 1.638,0519
Abr/2018 0,57 2,0542 1,8953 1.615,7545
Mar/2018 0,64 1,4758 0,2033 1.606,5969
Fev/2018 0,07 0,8305 -0,4239 1.596,3801
Jan/2018 0,76 0,7600 -0,4140 1.595,2634
Dez/2017 0,89 -0,5326 -0,5326 1.583,2308
Nov/2017 0,52 -1,4100 -0,8777 1.569,2643
Out/2017 0,20 -1,9201 -1,4200 1.561,1463
Set/2017 0,47 -2,1158 -1,4594 1.558,0302
Ago/2017 0,10 -2,5737 -1,7242 1.550,7417
Jul/2017 -0,72 -2,6711 -1,6751 1.549,1925
Jun/2017 -0,67 -1,9652 -0,7837 1.560,4276
Mai/2017 -0,93 -1,3039 1,5736 1.570,9530
Abr/2017 -1,10 -0,3775 3,3678 1.585,7000
Mar/2017 0,01 0,7306 4,8624 1.603,3367
Fev/2017 0,08 0,7205 5,3866 1.603,1764
Jan/2017 0,64 0,6400 6,6608 1.601,8949
Dez/2016 0,54 7,1907 7,1907 1.591,7080
Nov/2016 -0,03 6,6150 7,1374 1.583,1589
Out/2016 0,16 6,6470 8,7985 1.583,6340
Set/2016 0,20 6,4766 10,6777 1.581,1042
Ago/2016 0,15 6,2641 11,5062 1.577,9483
Jul/2016 0,18 6,1049 11,6509 1.575,5850
Jun/2016 1,69 5,9143 12,2193 1.572,7540
Mai/2016 0,82 4,1541 11,0937 1.546,6162
Abr/2016 0,33 3,3070 10,6419 1.534,0371
Mar/2016 0,51 2,9672 11,5682 1.528,9914
Fev/2016 1,29 2,4447 12,0900 1.521,2331
Jan/2016 1,14 1,1400 10,9612 1.501,8591
Dez/2015 0,49 10,5443 10,5443 1.484,9309
Nov/2015 1,52 10,0053 10,6873 1.477,6902
Out/2015 1,89 8,3582 10,0985 1.455,5657
Set/2015 0,95 6,3482 8,3588 1.428,5658
Ago/2015 0,28 5,3474 7,5538 1.415,1222
Jul/2015 0,69 5,0533 6,9639 1.411,1709
Jun/2015 0,67 4,3334 5,5829 1.401,5005
Mai/2015 0,41 3,6390 4,1041 1.392,1730
Abr/2015 1,17 3,2158 3,5442 1.386,4884
Mar/2015 0,98 2,0222 3,1450 1.370,4541
Fev/2015 0,27 1,0321 3,8499 1.357,1540
Jan/2015 0,76 0,7600 3,9638 1.353,4995
Dez/2014 0,62 3,6749 3,6749 1.343,2905
Nov/2014 0,98 3,0361 3,6543 1.335,0134
Out/2014 0,28 2,0361 2,9460 1.322,0573
Set/2014 0,20 1,7512 3,5414 1.318,3658
Ago/2014 -0,27 1,5481 4,8848 1.315,7344
Jul/2014 -0,61 1,8230 5,3265 1.319,2965
Jun/2014 -0,74 2,4480 6,2484 1.327,3936
Mai/2014 -0,13 3,2117 7,8434 1.337,2895
Abr/2014 0,78 3,3461 7,9837 1.339,0302
Mar/2014 1,67 2,5462 7,3087 1.328,6666
Fev/2014 0,38 0,8618 5,7677 1.306,8424
Jan/2014 0,48 0,4800 5,6729 1.301,8952
Dez/2013 0,60 5,5257 5,5257 1.295,6759
Nov/2013 0,29 4,8963 5,6096 1.287,9482
Out/2013 0,86 4,5930 5,2726 1.284,2240
Set/2013 1,50 3,7011 4,3959 1.273,2738
Ago/2013 0,15 2,1686 3,8507 1.254,4570
Jul/2013 0,26 2,0156 5,1780 1.252,5781
Jun/2013 0,75 1,7510 6,3110 1.249,3299
Mai/2013 0,00 0,9936 6,2160 1.240,0296
Abr/2013 0,15 0,9936 7,2994 1.240,0296
Mar/2013 0,21 0,8423 8,0494 1.238,1724
Fev/2013 0,29 0,6310 8,2866 1.235,5777
Jan/2013 0,34 0,3400 7,9087 1.232,0049
Dez/2012 0,68 7,8119 7,8119 1.227,8302
Nov/2012 -0,03 7,0838 6,9553 1.219,5374
Out/2012 0,02 7,1158 7,5222 1.219,9033
Set/2012 0,97 7,0945 8,0705 1.219,6594
Ago/2012 1,43 6,0656 7,7280 1.207,9424
Jul/2012 1,34 4,5703 6,6766 1.190,9123
Jun/2012 0,66 3,1876 5,1397 1.175,1651
Mai/2012 1,02 2,5110 4,2623 1.167,4599
Abr/2012 0,85 1,4759 3,6534 1.155,6720
Mar/2012 0,43 0,6207 3,2422 1.145,9316
Fev/2012 -0,06 0,1899 3,4376 1.141,0252
Jan/2012 0,25 0,2500 4,5347 1.141,7102
Dez/2011 -0,12 5,0977 5,0977 1.138,8631
Nov/2011 0,50 5,2240 5,9501 1.140,2313
Out/2011 0,53 4,7005 6,9516 1.134,5586
Set/2011 0,65 4,1485 7,4622 1.128,5771
Ago/2011 0,44 3,4759 7,9961 1.121,2887
Jul/2011 -0,12 3,0226 8,3509 1.116,3767
Jun/2011 -0,18 3,1464 8,6438 1.117,7179
Mai/2011 0,43 3,3324 9,7649 1.119,7334
Abr/2011 0,45 2,8900 10,5955 1.114,9392
Mar/2011 0,62 2,4290 10,9478 1.109,9445
Fev/2011 1,00 1,7979 11,3007 1.103,1052
Jan/2011 0,79 0,7900 11,4990 1.092,1834
Dez/2010 0,69 11,3220 11,3220 1.083,6227
Nov/2010 1,45 10,5592 10,2717 1.076,1970
Out/2010 1,01 8,9790 8,8043 1.060,8152
Set/2010 1,15 7,8893 7,7702 1.050,2081
Ago/2010   0,77 6,6627 6,9925 1.038,2680
Jul/2010   0,15 5,8476 5,7927 1.030,3344
Jun/2010 0,85 5,6891 5,1800 1.028,7912
Mai/2010 1,19 4,7983 4,1892 1.020,1202
Abr/2010 0,77 3,5659 2,8919 1.008,1235
Mar/2010 0,94 2,7745 1,9525 1.000,4203
Fev/2010 1,18 1,8174 0,2556 991,1039
Jan/2010 0,63 0,6300 -0,6559 979,5453
Dez/2009 -0,26 -1,7123 -1,7123 973,4128
Nov/2009 0,10 -1,4561 -1,5842 975,9503
Out/2009 0,05 -1,5545 -1,3089 974,9753
Set/2009 0,42 -1,6037 -0,3915 974,4880
Ago/2009 -0,36 -2,0152 -0,6990 970,4123
Jul/2009 -0,43 -1,6612 -0,6591 973,9183
Jun/2009 -0,10 -1,2365 1,5258 978,1243
Mai/2009 -0,07 -1,1377 3,6397 979,1034
Abr/2009 -0,15 -1,0684 5,3820 979,7893
Mar/2009 -0,74 -0,9198 6,2686 981,2612
Fev/2009 0,26 -0,1811 7,8531 988,5767
Jan/2009 -0,44 -0,4400 8,1435 986,0130
Dez/2008 -0,13 9,8054 9,8054 990,3707
Nov/2008 0,38 9,9484 11,8835 991,6598
Out/2008 0,98 9,5321 12,2290 987,9058
Set/2008 0,11 8,4691 12,3068 978,3183
Ago/2008 -0,32 8,3500 13,6305 977,2433
Jul/2008 1,76 8,6978 15,1125 980,3805
Jun/2008 1,98 6,8178 13,4383 963,4242
Mai/2008 1,61 4,7439 11,5250 944,7188
Abr/2008 0,69 3,0842 9,8017 929,7498
Mar/2008 0,74 2,3778 9,0930 923,3785
Fev/2008 0,53 1,6258 8,6598 916,5957
Jan/2008 1,09 1,0900 8,3788 911,7634
Dez/2007 1,76 7,7463 7,7463 901,9323
Nov/2007 0,69 5,8827 6,2215 886,3328
Out/2007 1,05 5,1572 6,2849 880,2591
Set/2007 1,29 4,0645 5,6748 871,1124
Ago/2007 0,98 2,7391 4,6315 860,0181
Jul/2007 0,28 1,7421 3,9995 851,6718
Jun/2007 0,26 1,4580 3,8958 849,2937
Mai/2007 0,04 1,1949 4,4035 847,0913
Abr/2007 0,04 1,1544 4,7583 846,7526
Mar/2007 0,34 1,1140 4,2767 846,4140
Fev/2007 0,27 0,7713 3,6843 843,5460
Jan/2007 0,50 0,5000 3,4154 841,2745
Dez/2006 0,32 3,8476 3,8476 837,0891
Nov/2006 0,75 3,5164 3,5060 834,4189
Out/2006 0,47 2,7458 3,1464 828,2074
Set/2006 0,29 2,2651 3,2799 824,3330
Ago/2006 0,37 1,9694 2,4355 821,9494
Jul/2006 0,18 1,5935 1,3945 818,9194
Jun/2006 0,75 1,4110 0,8682 817,4480
Mai/2006 0,38 0,6561 – 0,3232 811,3627
Abri/2006 – 0,42 0,2750 – 0,9190 808,2912
Mar/2006 – 0,23 0,6980 0,3546 811,7004
Fev/2006 0,01 0,9301 1,4409 813,5716
Jan/2006 0,92 0,9200 1,7350 813,4902
Dez/2005 – 0,01 1,2008 1,2008 806,0744
Nov/2005 0,40 1,2109 1,9598 806,1550
Out/2005 0,60 0,8077 2,3864 802,9432
Set/2005 – 0,53 0,2064 2,1726 798,1543
Ago/2005 – 0,65 0,7403 3,4258 802,4070
Jul/2005 – 0,34 1,3994 5,3725 807,6568
Jun/2005 – 0,44 1,7454 7,1171 810,4122
Mai/2005 – 0,22 2,1950 9,0752 813,9938
Abri/2005 0,86 2,4203 10,7478 815,7885
Mar/2005 0,85 1,5470 11,1321 808,8326
Fev/2005 0,30 0,6912 11,4406 802,0154
Jan/2005 0,39 0,3900 11,8739 799,6166
Dez/2004 0,74 12,4200 12,4200 796,5102
Nov/2004 0,82 11,5942 12,2749 790,6593
Out/2004 0,39 10,6866 11,9074 784,2286
Set/2004 0,69 10,2566 11,8963 781,1820
Ago/2004 1,22 9,5010 12,4408 775,8288
Jul/2004 1,31 8,1812 11,5077 766,4778
Jun/2004 1,38 6,7823 9,6036 756,5667
Mai/2004 1,31 5,3288 7,0305 746,2682
Abri/2004 1,21 3,9668 5,3718 736,6185
Mar/2004 1,13 2,7239 5,0699 727,8120
Fev/2004 0,69 1,5761 5,4855 719,6796
Jan/2004 0,88 0,8800 7,1512 714,7479

IGPM ACUMULADO 2019

IGP-M/FGV – Fechamento do mês – 2019

Mês Índice Nº índice
Desde Jan/1993
Dez/1992=1,00
Do mês Acumulado
No ano Nos últimos
12 meses
Dez/2019 2,09 7,3179 7,3179 1.827,4078
Nov/2019 0,30 5,1209 3,9856 1.789,9968
Out/2019 0,68 4,8065 3,1665 1.784,6429
Set/2019 -0,01 4,0986 3,3817 1.772,5893
Ago/2019 -0,67 4,1090 4,9636 1.772,7666
Jul/2019 0,40 4,8112 6,4113 1.784,7242
Jun/2019 0,80 4,3937 6,5279 1.777,6138
Mai/2019 0,45 3,5651 7,6587 1.763,5057
Abr/2019 0,92 3,1012 8,6555 1.755,6055
Mar/2019 1,26 2,1613 8,2786 1.739,6012
Fev/2019 0,88 0,8901 7,6157 1.717,9549
Jan/2019 0,01 0,0100 6,7516 1.702,9688

IGPM Índice Acumulado 2020

2020
MÊS Mensal % Acumulado nos últimos
12 meses %
Acumulado no ano %
Janeiro 0,48 7,8223 0,4800
Fevereiro -0,04 6,8389 0,4398
Março 1,24 6,8178 1,6853
Abril 0,80 6,6908 2,4987
Maio 0,28 6,5103 2,7857
Junho 1,56 7,3133 4,3892
Julho 2,23 9,2693 6,7171
Agosto 2,74 13,0205 9,6411
Setembro 4,34 17,9374 14,3995
Outubro
Novembro
Dezembro
Categories
Cálculos Trabalhistas

Calcular dias trabalhados: Entenda o cálculo proporcional

Calcular dias trabalhados – Quem começou em um novo emprego ou que acabou de ser demitido sempre tem uma dúvida a respeito do valor que receberá de salário, uma vez que ele não trabalhou os dias todos do mês.

Veja também:

Quando isso acontece o empregado tem direito de receber uma salário proporcional ao dias que foram trabalhados, ou seja, ele precisa receber pelos serviços prestados, independente dos dias que ele trabalhar.

Se você quer saber como calcular os dias trabalhados e saber quanto vai receber continue lendo esse artigo!

O que é salário proporcional

Ao começar um novo emprego é acertado o valor da remuneração por aquele trabalho, essa remuneração é calculada com base nos dias que serão trabalhado durante o mês, a função a ser desempenhada.

No geral é utilizado 30 dias trabalhados para fazer esse cálculo, mas nos meses como fevereiro, que pode ter 28 ou 29 dias é necessário usar o número exato de dias para calcular os dias trabalhados.

Porém, quem foi contratado para receber por horas e não por dias, não precisa se preocupar com o número divisor a ser utilizado, pois os seus ganhos serão baseados de acordo com o número de horas ou dias inteiros que foram de fato trabalhados, independente de meses com 28, 30 ou 31 dias.

Quando os empregados vão receber o salário integral, ou seja, eles trabalharam todos os dias do mês, a base para calculo do trabalho são 30 dias corridos, incluindo os sábados e domingos.

Calcular dias trabalhados

 

O cálculo de salário proporcional é realizado tanto para admissões, demissões, afastamento no meio do mês, retorno, e outras eventualidades expressas em contrato.

Nesses casos deve ser usado o número certo de dias dos mês, uma vez que em meses com 31 dias usar o 30 como divisor poderá geral um valor de salário maior do que deveria, da mesma forma utilizar 30 dias como divisor em meses com 28 dias pode gerar valores menores.

Utilizando os dias certos do mês tanto funcionários quanto empregados são beneficiados.

Lembrando que esse calculo só é necessário em meses de admissões ou demissões os outros meses são calculados normalmente e o salário recebido conforme o contrato.

Como calcular dias trabalhados

Para calcular dias trabalhados e saber quanto você vai receber é muito fácil e você pode fazer isso sozinho mesmo. Primeiramente você precisa saber o valor integral do salário que consta no contrato de serviço.

Depois basta saber quantos dias trabalhou no mês que você quer saber o valor da sua remuneração.

Com esses dados basta você dividir o seu salário pelos dias do mês e saber quanto você ganha por dia, depois multiplique o valor do dia pelo número de dias trabalhados.

No exemplo, vamos supor que tenha trabalhado por 16 dias.

Confira o exemplo abaixo:

Calcular dias trabalhados: Para saber o valor do salário em outubro:

  1. Salário total de R$ 1.200,00s
  2. Dias no mês de outubro: 31 dias
  3. Dias trabalhados: 16

Valor por dia trabalhado: 1200/31 = R$ 38,71

Valor a receber por 16 dias trabalhados = 38,71 X 16 = R$ 619,36

O valor do salário será de R$ 619,36.

Vamos agora fazer calculo de dias trabalhados durante o mês de fevereiro que como já citamos pode ser de 28 ou 29 dias

Calcular dias trabalhados: Para saber o valor do salário em fevereiro

Como este mês é atípico pela quantidade de dias, o valor será menor. Neste exemplo vamos supor que João trabalhou 25 dias, vamos ai cálculo.

  1. Salário total de R$ 1.500,00s
  2. Dias no mês de fevereiro: 28 dias
  3. Dias trabalhados: 25

Valor por dia trabalhado: 1500/28 = R$ 53,57

Valor a receber por 25 dias trabalhados = 53,57 X 25 = R$ 1.339,25

O valor do salário será de R$ 1.339,25.

E assim deve ser feito o cálculo, levando em consideração o numero de dias no mês de referencia e a quantidade de dias trabalhados.

Categories
Cálculos Financeiros

PIX: O que é, como cadastrar e serviços

O PIX é o novo sistema de pagamento eletrônico instantâneo, criado pelo Banco Central do Brasil (BACEN). Tem como objetivo trazer competitividade, estimulando a concorrência e diminuindo os custos de transações no país.

Desse modo, abaixo explicaremos para você que é pessoa física, as vantagens e meios de utilização desta nova plataforma. Pois, em meio a era digital, é de se esperar novas formas de se fazer e receber pagamentos.

Sobre o mercado de meios de pagamento no Brasil

Antes de explicar sobre o PIX, é interessante entender um pouco sobre o funcionamento do mercado de pagamentos eletrônicos brasileiro. Assim, para que este sistema funcione serão necessários quatro agentes neste processo:

Bandeiras

São empresas que regulam o mercado de pagamentos, tornando este meio de pagamento viável. Bem como, fazem filiação junto às instituições financeiras a fim de permitir as transações. Alguns destes exemplos são:

  • American Express;
  • Alelo;
  • Visa;
  • Mastercard

Adquirentes

Também conhecidas como credenciadoras, são as empresas encarregadas de dar o credenciamento aos estabelecimentos comerciais. Desse modo, eles estarão aptos a receber cartões de débito/crédito como forma de pagamento.

Para isto os donos dos pontos comerciais devem alugar ou comprar as máquinas leitoras de cartão. Neste caso as adquirentes serão a ponte entre a bandeira, o lojista e o banco. Alguns destas adquirentes são:

  • Cielo;
  • Getnet;
  • Rede;
  • Stone

Instituição Financeira

Regulamentado pelo BACEN, os bancos que têm a função de emitir os cartões e fazer as transações financeiras.

Gateways

No caso de compras no e-commerce, os gateways que fazem esta conexão entre os bancos e os comerciantes. Alguns exemplos deles são:

Para se ter uma ideia, o mercado de pagamentos eletrônicos movimentou ano passado R$ 2 trilhões, só no Brasil. Por isso que o BACEN se viu na obrigação de abrir um novo mercado, criando o PIX.

Certamente o consumidor terá mais possibilidades de escolha na hora de pagar as suas compras ou serviços. E com isso, haverá também a busca pelas empresas em ofertar menores preços de transações para o consumidor.

O que fazer para se cadastrar no PIX

Você consumidor, já deve ter sido convidado a fazer o pré-cadastro do PIX pelo seu banco. Ou mesmo ter visto sobre a plataforma nas redes sociais ou em propagandas na TV.

Enfim, o registro começou a ser realizado agora no mês de outubro, com lançamento para 16 de novembro de 2020. Já o cadastro da pessoa física deverá ser feito pelo banco que gerencia a sua conta, sem custas de serviço.

O procedimento é fácil, o cliente deverá ter em alguma instituição financeira, conta corrente, conta poupança ou carteira eletrônica. Através desta conta, será criada as chaves PIX, que poderá ser:

  • CPF;
  • E-mail;
  • Telefone

Estas “chaves” é que vão dar acesso ao cliente para que ele seja identificado e realize as transações desejadas. Uma observação importante é que a pessoa poderá ter as chaves em mais de uma instituição financeira bancária.

Contudo, apenas uma chave poderá ser utilizada em cada banco. Por exemplo, Beatriz tem duas contas em banco diferentes. Então ela poderá no banco X utilizar seu CPF como chave. Porém no banco Y, irá utilizar seu e-mail para a  chave.

Caso o cliente não tenha feito o seu cadastro não haverá problemas em utilizar o sistema. Mas o BACEN orienta que se faça o cadastro, para uma melhor segurança na utilização dela.

Quais serviços são oferecidos pelo PIX

As pessoas têm sido orientadas a se cadastrar no PIX a fim de realizar transferências bancárias em qualquer dia. Ou seja, o TED e DOC, poderão ser feitos aos finais de semana e feriados. A qualquer hora e sem custo.

No entanto, o sistema não só oferece este serviço. O cliente poderá também fazer pagamentos sem o uso do cartão de débito ou dinheiro. Já que o sistema terá a operação do QR Code, via celular. Dessa maneira, o cliente poderá:

Pagamentos de boletos bancários ou via internet

Neste caso, o consumidor poderá fazer o pagamento do boleto bancário, com processamento de forma instantânea. Será vantajoso para os comerciantes, já que o dinheiro caíra em tempo real no seu comércio.

Também será através do aplicativo, que o consumidor poderá pagar as suas compras via sistema do QR Code. Para isso, o comerciante cria na hora o QR Code do produto. Ou deixa impresso e em lugar visível para que o cliente possa pagar.

Parcelamento via crédito

Haverá a opção do PIX agendado, que será a forma do pagamento em crédito. Entretanto da forma que é hoje não será benéfico para o comerciante. Isso porque, caso não haja dinheiro na conta no dia do pagamento, a operação será cancelada.

Além disso não haverá garantias para que o comerciante consiga receber o valor do parcelamento.

Segurança para utilização do PIX

O BACEN deixou claro que o sistema do PIX não terá uma padronização em sua segurança nas transações. Em vista disso cada instituição bancária deverá criar as competências de uso dentro de seu sistema.

Isto é, elas deverão atenuar os riscos e criar barreiras antifraude de acordo com a política da empresa bancária. Cada uma fará as suas regras para a proteção do consumidor.

Todavia, os clientes deverão tomar os mesmos cuidados que tomariam em qualquer operação bancária para evitar golpes. Inclusive, o cliente deverá tomar cuidado sobre os próprios erros cometidos.

Uma vez que o PIX faz as transferências instantaneamente, qualquer pagamento feito por engano não terá garantia de ressarcimento. Estes encargos também ficarão à cargo de cada banco para que decidam o que fazer.

Categories
Cálculos Financeiros

Acumulado 2021: Tabela Inflação, Aluguel, Câmbio e Ouro

O Índice Geral de Preços (IGP) é um índice que mede a inflação do país. A partir dos preços desde matérias-primas agrícolas e industriais até os bens e serviços finais. Por isso, este índice influencia sua vida no dia a dia. Saiba sobre nosso artigo Acumulado 2021.

Neste artigo, vamos explicar para que serve este índice e como é calculado. Além disso, vamos esclarecer sobre o IGPM Acumulado e a sua relação com a tabela de inflação, aluguel, câmbio e ouro.

Para que serve o IGP?de contratos, tais como:

  • Mensalidades escolares e universitárias; mede a inflação oficial do país, sendo calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
  • Já o IGP é calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Por isso, é um índice mais próximo da realidade de mercado e com maior oscilação. Além disso, tem mais produtos e serviços atrelados a sua variação do que o IPCA.

    Outra de suas funções, talvez a mais importante do IGP, é servir de indexador

    Tarifas de energia elétrica;

  • Determinados tipos de seguro;
  • Alguns planos de saúde.

Mais uma função do IGP é a de exercer interferência significativ

  • Aluguéis residenciais e comerciais;
  • O IGP funciona como um indicador macroeconômico em função da série de fatores que são considerados em seu cálculo. Por isso, uma das suas funções é medir a economia e indicar se ocorreu inflação ou deflação em um período.

    O IGP tem o mesmo objetivo do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Contudo, o IPCA

a nos investimentos. Isto acontece porque várias aplicações no mercado financeiro estão associadas a este índice.

acumulado 2021

Confira também sobre:

Como calcular o IGP e o IGP-M Acumulado 2021?

A FGV calcula o IGP que é disponibilizado em três versões, sendo elas: 10, Mercado (M) e Disponibilidade Interna (DI). Além disso, são índices independentes das entidades políticas e órgãos do governo.

A diferença entre eles está no período que é considerado para a coleta das informações. Cada um deles utiliza um determinado período de dados para os cálculos da evolução dos preços, pois:

Índices IGP Período de coleta Início

Mês anterior

Período de Coleta Final

Mês de referência

 

 
10 11 10  
M 21 20  
DI Primeiro ao Último dia  

O cálculo do IGP é composto por três outros índices. Um deles, é o Índice de Preços por Atacado – Mercado (IPA-M), que faz um monitoramento da indústria atacadista. Além disso, estima o impacto e valores dos preços no varejo.

Um outro, é o Índice de Preços ao Consumidor (IPC-M), que avalia o impacto dos preços no poder de compra do consumidor. Neste caso, utiliza os preços de alimentação, vestuário, dentre outros.

E, o último, que é o Índice Nacional de Custo de Construção (INNC-M), realiza um monitoramento dos preços para construção civil. Neste caso, considera os preços de materiais e mão de obra especializada.

Para a composição do IGP o peso dos índices é de 60%, 30% e 10%, respectivamente. Além dos elementos mencionados, para os cálculos do IGP também outros componentes são apurados, tais como:

  • Bebidas e fumo
  • Remédios
  • Embalagens
  • Aluguel
  • Condomínio
  • Empregada doméstica
  • Transportes
  • Educação
  • Leitura e recreação
  • Vestuário
  • Despesas diversas (cartório, loteria, correio, mensalidade de internet, dentre outros)

Tabela IGP de Mercado e Acumulado 2021

A FGV divulga ao final de cada mês a tabela do IGP-M e AGP-M Acumulado 2021, que tem as seguintes funções:

  • Mensurar a evolução do nível de preços;
  • Deflator de valores nominais (receita tributária);
  • Referência para a correção de preços e valores contratuais.

Logo, o IGP-M é utilizado como um índice base para o reajuste de várias tarifas da economia, tais como contratos, tarifas e seguros. Assim, é fácil acompanhar a evolução dos preços e investimentos que são atrelados a este índice.

Meses 2020 IGP-M IGP-M Acumulado
Janeiro 0,48 0,48
Fevereiro -0,04 0,44
Março 1,24 1,69
Abril 0,80 2,50
Maio 0,28 2,79
Junho 1,56 4,39
Julho 2,23 6,72

Reajuste do Aluguel pelo IGP-M

É interessante destacar que o IGP-M é conhecido também como a “inflação do aluguel”. De fato, ele ganhou esse nome por ter se tornado o principal indexador dos contratos de aluguel tanto residencial quanto comercial.

O índice é responsável por corrigir o valor dos alugueis ou de parcelas de bens adquiridos ou financiados conforme a inflação. O cálculo de reajuste baseado no IGP-M Acumulado é bastante simples.

Para começar você precisa conferir na Tabela IGP-M o fator de atualização. Vamos apresentar um exemplo para ilustrar o cálculo a ser realizado:

  • Valor acumulado dos últimos 12 meses do IGP-M: 8,78%
  • Valor do aluguel a ser reajustado: R$ 1.500,00
  • Cálculo: 1500 * 0,0878 (8,78/100) = 131,70

Assim, o valor do aluguel reajustado passa a ser de R$ 1.631,70.

Normalmente, é aplicado o valor do IGP-M Acumulado do ano anterior para calcular o reajuste do ano em vigor. Por isso, basta acompanhar a tabela divulgada pela FGV para conferir os valores utilizados para o reajuste.

Variação do Câmbio e do Ouro

O IGP-M Acumulado é utilizado para mensurar a variação do câmbio e do ouro justamente por ser um indicador mais próximo do mercado. Dessa forma, o IGP-M influencia vários outros investimentos no mercado.

Portanto, explicamos como é feito o cálculo do IGP-M e IGP-M Acumulado e como ele interfere na vida de todas as pessoas. Para saber se as correções dos seus contratos, tarifas e seguros estão corretas, basta acompanhar o IGP.